PRÓXIMAS INICIATIVAS

16 de Fevereiro, 2ª feira, pelas 20:30h
Festa de Carnaval

Noite de fadosÀ semelhança do ano anterior o Grémio Literário promove um jantar com baile, para assim se assinalar devidamente esta data marcante do calendário festivo tradicional.

A animação musical fica a cargo de um disck-jockey de reconhecida qualidade que nos tem acompanhado com êxito nestes momentos.

Venha ao Grémio e traga os seus convidados.

Surpreenda-nos com a sua criatividade, no trajar carnavalesco.

O preço do jantar é de 40,00€, por pessoa.

 

26 de Fevereiro, 5ª- feira, pelas 20:00h
Jantar/debate – Ciclo “Portugal pós - Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?”

Retoma-se no próximo dia 26, com Eduardo Catroga, o novo ciclo de jantares-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, subordinado ao tema “Portugal pós-troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?“. Na oportunidade, o orador convidado fará incidir a sua abordagem sobre as “Alternativas na Economia Europeia”.

Noite de fadosEduardo de Almeida Catroga, nasceu em S. Miguel do Rio Torto, em Abrantes, a 14 de Novembro de 1942, tendo-se licenciado em Finanças, no Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras da Universidade Técnica de Lisboa (actual ISEG), em 1966, onde recebeu o Prémio Alfredo da Silva, pela classificação mais elevada do curso.
Foi um prémio premonitório. No ano seguinte, iniciaria, precisamente na CUF, a sua longa carreira empresarial, e aos 31 anos, era já membro do Conselho de Administração e da Comissão Executiva.
 Mais tarde, foi vice-presidente executivo da Quimigal, de 1978 a 1980. Em 1981, passou a administrador delegado da Sapec.

Eduardo Catroga desenvolveu, ainda, uma profícua actividade como docente universitário. Foi professor do ISCEF, de 1968 a 1974, e professor catedrático convidado, a partir de 1990. Em 1979, frequentou o Program for Management Development, da Harvard Business School.  Em 2012, foi-lhe atribuído o grau de Doutor Honoris Causa pela Universidade Técnica de Lisboa, hoje Universidade de Lisboa.

Na década de 80 foi, ainda, administrador não executivo da BP Portugal e presidente do conselho de administração da CELCAT. Desde Fevereiro de 2012, é presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP, onde já era vogal desde 2007. Desempenha ainda funções de administrador não executivo na Nutrinveste e no Banco Finantia, sendo membro do Comité de Investimento da PVCI (Portugal Venture Capital Iniciative), um fundo de fundos de investimento ligado ao Banco Europeu de Investimento.

Para além da longa carreira, de quase meio século, no sector privado, Eduardo Catroga foi Ministro das Finanças do XII Governo Constitucional, como independente, no último mandato de Cavaco Silva, como Primeiro-ministro, entre Dezembro de 1993 e Outubro de 1995.

Desempenhou ainda, e sempre como independente, duas outras missões políticas: em 2010, chefiou o grupo de negociação do Partido Social Democrata (PSD), que acordou com o governo socialista de José Sócrates a viabilização do Orçamento Geral de Estado de 2011; e em meados de 2011, a convite do Presidente do PSD, coordenou a elaboração de proposta para o programa eleitoral do PSD às eleições de Junho de 2011.

Em 2007 foi-lhe atribuído o Prémio Carreira de Economista, pela Ordem dos Economistas e a distinção de Antigo Aluno do Ano, pelo ISEG. A 9 de Junho de 2006 foi agraciado pelo Presidente da República, com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo.

Personalidade vigorosa, Eduardo Catroga dizia, ainda em Outubro do ano passado, que “é preciso que as pessoas tenham consciência de que o País está a corrigir excessos e isso tem reflexos no poder de compra das famílias. Embora contenha riscos, este Orçamento traz alguns sinais positivos para as famílias e para as empresas. De acordo com o OE 2015, cerca de 4 milhões de portugueses vão ter mais poder de compra, ainda que de uma forma muito frágil”.

Polémico, refere ter o costume de dizer “ aos meus amigos de esquerda que o período de descalabro das contas públicas portuguesas foi de 1996 a 2010. Nesse período, o Partido Socialista governou 85% do tempo”.

Sobre a União Europeia, não hesita em afirmar que o problema “ é que temos todos os motores gripados há muito e começa na falta de crescimento económico, que vai ser lento no próximos anos, por a Europa não se ter adaptado à globalização, que implica reduzir despesa pública, reduzir carga fiscal e criar condições de atractividade de investimento produtivo. A UE como um todo tem de criar condições para financiar de forma sustentável o Estado social”.

Reconhecido pela sua frontalidade, Eduardo Catroga aceitou o convite para intervir no novo ciclo de jantares-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, "Portugal pós-Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro".

Uma reflexão em directo a não perder.

O preço do jantar é de 30€ por pessoa.

05 de Março, 5ª feira, pelas 19:30h
Conferência sobre “O Futuro da Austeridade na Europa”

O Grémio Literário, em colaboração com o Consócio Dr. Manuel Camarate Frias, vai organizar uma conferência subordinada ao tema “ O Futuro da Austeridade na Europa”, sendo orador o Dr. Carlos Manuel Botelheiro Moreno.

Noite de fadosLicenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, o Dr. Carlos Moreno é possuidor de um vasto currículo profissional e académico na área das finanças públicas, o que lhe dá uma visão impar dos graves problemas com que as instâncias europeias se deparam, no sentido de compatibilizar o crescimento económico com o equilibro das contas públicas.

Depois de ter passado por diversas funções no Ministério das Finanças, onde foi Director Geral do Tribunal de Contas e Inspector-Geral das Finanças, o Dr. Carlos Moreno desenvolveu, entre outras, as seguintes actividades:

  • Presidente de júri em vários concursos de privatização de empresas de capitais públicos;
  • Juiz do Tribunal de Contas Europeu, onde foi o primeiro português a assumir esse cargo;
  • Juiz Conselheiro do Tribunal de Contas;
  • Docente Universitário no ISEG, na UAL e no ISEM;
  • Relator de inúmeros Relatórios de auditoria sobre o SPE e as PPP.

O Dr. Carlos Moreno, que foi agraciado com a Grande Croix de L’Ordre de Mérite do Luxemburgo, é autor de várias dezenas de publicações abordando temas relacionados com as finanças públicas e, mais recentemente, conferencista assíduo em diversas audiências.

A conferência é seguida de jantar, pelas 21h, ao preço de 30€, por pessoa.